quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021

Campeonato Mundial JKA cancelado!

Infelizmente, agora é oficial. o Campeonato Mundial JKA, que deveria ter sido realizado em 2020, no Japão, e que foi reagendado para 2021, está cancelado. a decisão é coerente com o momento extremamente delicado devido ao coronavirus, que parece não perder força. Mas não deixa de ser muito triste, e certamente muitos atletas que se preparavam e sonhavam com essa competição desde o ano.paddado, ficarão frustrados. Resta aos atletas da seleção brasileira seguir treinando, não se deixar abater, e manter o foco.para 2022. oss!

segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

Kata com Manuela Spessatto

no canal do YouTube Jayme Sandall, vídeo imperdível com a maior atleta de kata da JKA do Brasil de todos os tempos: Manuela Spessatto https://m.youtube.com/watch?v=lWgYwKaz4Wo

segunda-feira, 30 de novembro de 2020

Nota de pesar: sensei Uriu

Com grande pesar, a Confederação Brasileira de Karate Shotokan - CBKS, comunica o falecimento aos 91 anos, de seu fundador e um dos principais introdutores do karate shotokan no Brasil, nosso sensei Sadamu Uriu, ocorrido hoje, às 6h da manhã, no Rio de Janeiro por causas naturais. Por questões sanitárias relacionadas a Covid-19, o velório será restrito aos familiares e o corpo será cremado. A notícia foi dada pelo sensei Cezar Uriu, ao sensei Michel Cutis, presidente da CBKS, que em nome da família Uriu, ficou encarregado de fazer o comunicado à comunidade carateca. Estamos profundamente tristes, mas entendemos que é o ciclo natural da vida. Sensei Uriu deixou um grande legado que será levado por seus milhares de alunos em todo mundo. Mokusô! 20/09/1929 30/11/2020 Essa é a cópia da mensagem enviada a toda a comunidade do Karate pela Confederação Brasileira de Karate Shotokan (CBKS) Na imagem abaixo, a manifestação oficial da JKA do Brasil
Fica aqui o agradecimento da comunidade do Karate a tudo o que o sensei Uriu fez pelo karate. oss!

segunda-feira, 7 de setembro de 2020

Os 5 maiores atletas de kumite masculino da história do karate Tradicional brasileiro

Na lista abaixo, os 5 maiores atletas de kumite masculino da história do karate tradicional brasileiro.
Importante salientar que essa não é uma lista OFICIAL nem da ITKF nem da CBKT.
É uma lista feita por este blog, baseada no sistema de pontos do ranking oficial da JKA do Brasil. Adaptamos o sistema de pontos para os atletas do karate Tradicional.
Quanto mais competições grandes e colocações expressivas os atletas conquistam, mais pontos acumulam.
Obviamente existem diversos atletas incríveis que poderiam entrar em qualquer lista dos melhores de todos os tempos. Mas tivemos que escolher uma forma - a mais justa possível - de fazer essa lista.

Fica aqui a menção honrosa a alguns lutadores que marcaram a história do karate brasileiro com suas conquistas e sua forma de lutar: Paulo Afonso (PA) - tetracampeão brasileiro individual; Oswaldo Mendonça (GO) - campeão do I campeonato internaconal interclubes;
Lyoto Machida (PA) - campeão brasileiro e panamericano individual;
Jaime Jr. (SP) - Campeão brasileiro e mundial individual;
Fábio Simões (SP) - vice-campeão brasileiro, campeão panamericano e vice-campeão mundial individual
Jayme Sandall (RJ) - bicampeão brasileiro individual, campeão unificado, vice-campeão mundial e bicampeão panamericano por equipes;
César Cabral (SP) - campeão brasileiro e panamericano individual;

Há, certamente, muitos outros que marcaram seus nomes na história.Esses são apenas alguns exemplos de grandes lutadores que conquistaram títulos relevantes.

* Foram levados  em conta os títulos individuais em maior peso, e por equipes em menor peso.

1° - Ricardo Buzzi (PR)


- Campeão mundial individual (2002). Medalhou mais duas vezes em mundiais no kumite individual (bronze em 2004 e bronze em 2012)
- Campeão panamericano individual (2003)
- Campeão sul-americano individual (2005)
- Campeão brasileiro individual (2014)
Por equipes, foi tricampeão mundial (2004, 2006 e 2010) ; tetracampeão panamericano (2001, 2003, 2009 e 2013); campeão sul-americano (2005); pentacampeão brasileiro



2° - Vladimir Zanca (MT)

- Bicampeão brasileiro de kumite individual (1996 e 2010)
- Vice-campeão panamericano individual (2003)
- Por equipes, foi bicampeão mundial (2004 e 2006) e bicampeão panamericano (2001 e 2003)


3° - Vinícius Moreno (MT)



- Bicampeão panamericano de kumite individual (2011 e 2013)
- 2 xs vice-campeão brasileiro de kumite individual (2008 e 2017) - Por equipes foi tricampeão panamericano, bicampeão mundial, vice-campeão mundial e tetracampeão brasileiro


4° Ronaldier Nascimento (BA)


- Tetracampeão brasileiro individual
- Pentacampeão Norte-Nordeste
- Por equipes foi campeão mundial (2006), tetracampeão brasileiro e octacampeão Norte-Nordeste

5° - Chinzô Machida (PA)

- Pentacampeão brasileiro de kumite individual (maior número de títulos)
- Tricampeão norte-nordeste individual
- Por equipes foi bicampeão brasileiro


No link abaixo, vídeo no youtube sobre a lista:
https://www.youtube.com/watch?v=OESfwWxVaWM
O sistema de pontos escolhido foi o mesmo do ranking oficial da JKA do Brasil:

SISTEMA DE PONTOS

CAMPEONATO BRASILEIRO
Ouro individual: 12 pontos
Prata individual: 6 pontos
Bronze individual: 3 pontos

Ouro por equipes: 5 pontos para cada integrante
Prata por equipes: 3 pontos para cada
Bronze por equipes: 1 ponto para cada
Bônus de participação no campeonato brasileiro: 1 ponto

CAMPEONATO SULAMERICANO-PANAMERICANO
Ouro individual: 24 pontos
Prata individual: 12 pontos
Bronze individual: 6 pontos

Ouro por equipes: 10 pontos para cada integrante
Prata por equipes: 6 pontos para cada
Bronze por equipes: 2 ponto para cada
Bônus de participação no campeonato sul-americano / panamericano : 2 pontos

CAMPEONATO MUNDIAL
Ouro individual: 48 pontos
Prata individual: 24 pontos
Bronze individual: 12 pontos
Ouro por equipes: 20 pontos para cada integrante

Prata por equipes: 12 pontos para cada integrante
Bronze por equipes: 6 pontos para cada



Bônus de participação no campeonato mundial: 4 pontos

sexta-feira, 14 de agosto de 2020

HIKITE - puxada do braço

 O HIKITE é a puxada do braço que aprendemos desde a primeira aula de karate.

Enquanto um braço dá o soco, o outro vem para a cintura em movimentos simultâneos. Esse é o princípio da "força e contra-força".

Indiscutivelmente a puxada do braço aumenta a força do soco, e auxilia na rotação do quadril.

Mas agora lançarei uma pergunta polêmica: o hikite tem que ser sempre para a cintura? Ou seja, devemos sempre puxar o braço para a cintura, como na imagem acima, quando executarmos um soco?

Na minha opinião, a resposta é não.

Como treinamento de kihon, o hikite é imprescindível, fundamental para desenvolvermos uma série de coisas, como já citei acima. Mas nos treinos de kumite, considero que puxar a mão na cintura faz com que fiquemos muito expostos.

Por isso, sempre que treino kihon clássico, puxo a mão à cintura. Mas quando treino kihon de luta, puxo na guarda (ao lado do rosto), ou em posições de defesa, de acordo com o que eu estiver imaginando que meu adversário estará fazendo.

Faço isso baseado em dois fatos: primeiro, os kata.

Os kata são o que há de mais tradicional no karate, pois contêm as técnicas mais antigas. Podem ser considerados como a raiz do karate E neles, nos kata, vemos diversos momentos onde os golpes são executados sem que o hikite seja feito com a mão sendo puxada na cintura.


Na imagem acima, temos o kiai do Heyan Nidan. Nesse momento, enquanto a mão direita está executando o ataque, a esquerda está sendo usada para abaixar-bloquear algum ataque do adversário.

Da mesma forma, em diversos outros kata percebemos isso (o Sochin, por exemplo, no primeiro kiai).

O segundo fato em que me baseio para treinar o hikite puxando na guarda é a minha experiência pessoal como lutador.


Já fiz 409 lutas em competições oficiais de karate (Tradicional, JKA e WKF); além disso tenho inúmeras lutas dentro de academias, jyu kumite (luta livre, sem regras) centenas e centenas de vezes contra os mais diferentes tipos de adversários; fiz sparring (jyu kumite com outro nome) com lutadores profissionais de MMA, Muay Thai, boxe, jiu jitsu, capoeira, aikido, tae kwon do...

Em meus mais de 5 anos trabalhando como treinador de MMA, tive essas oportunidades de ouro de testar meu karate em treinamentos contra grandes lutadores de outras modalidades.

E, em todas essas experiências, percebi que se tentarmos puxar a mão na cintura, fazendo o hikite clássico, podemos nos dar muito mal...

A falta da guarda causada pelo hikite clássico me fez apanhar muito. Muito mesmo.

Resolvi esse problema (ou pelo menos amenizei, porque continuo apanhando de vez em quando), quando comecei a treinar puxando o hikite na guarda. 

Em minha visão, quando treinamos kihon para kumite, tudo se adapta: a base que seria zenkutsu, kokutsu ou kibadachi no kihon, vira base livre (menor, com ambas as pernas flexionadas); os socos saem de onde estiverem (gyako, por exemplo, não sai da cintura como no kihon clássico, mas de onde estiver. O soco fica mais curto, é uma adaptação).

Então, no meu raciocínio, não faria sentido tudo se adaptar no kihon de luta, menos o hikite. Por que ele seria a única coisa que seguiríamos fazendo da mesma forma?

Então, juntando o que há de mais tradicional no karate (os kata), com a minha experiência de lutador, passei a treinar puxando a mão na guarda quando faço treino de kumite (luta)


No link abaixo, vídeo sobre o tema, com a participação especialíssima do sensei UGO ARRIGONI

https://m.youtube.com/watch?v=1xxVS3F4_iM

OSS!

quinta-feira, 13 de agosto de 2020

ZANCHIN


Para quem leu a  matéria nesse blog sobre kyo ou assistiu ao vídeo no youtube, o assunto de agora soará familiar.
Zanchin é o estado de atenção, exatamente o oposto do kyo (desatenção).
O kyo é algo indesejado, que devemos lutar para não apresentarmos durante qualquer luta. O zanchin é o extremo oposto. Devemos tentar nos condicionar para estar sempre atentos, sempre prontos para responder ao adversário - seja atacando, defendendo ou nos afastando.

É, de fato, muito difícil se manter atento 100 % do tempo em uma luta, seja dentro de uma academia ou em um koto de competição. Mas é possível se treinar esse estado de zanchin, para que você crie uma espécie de "chave", que quando você aciona, consegue ficar atento e focado até o momento qem que desliga a "chave".

Um exemplo prático: o hajime pode ser uma chave. Até escutar o yame, você se manterá 100 % concentrado e atento.
Fazendo uma comparação, seria quase como uma hipnose, uma palavra-chave que sirva para conectar seu cérebro à luta, ao seu adversário, e se desligar de todo o resto. É afunilar o seu foco, estreitar sua mente para que toda a sua atenção seja convergida em um foco único: seu adversário.

Nosso cérebro é poderoso, e se conseguirmos nos treinar para afunilar nosso foco, será uma arma poderosa para utilizarmos em um combate.

E, da mesma forma que condicionamos nosso corpo a fazer os golpes sem que precisemos pensar nas técnicas, acredito que podemos condicionar nosso cérebro para que possamos estreitar nosso foco, manter o zanchin durante todo o combate, sem ter que pensar nisso.

No link abaixo, vídeo no youtube com exemplos de treinos que faço para lapidar e melhorar meu zanchin.