Karate Histórico

Nesta página, uma tentativa de resgatar a história do karate Shotokan brasileiro, lembrando os ídolos que jamais deveriam ser esquecidos, através de fotos e reportagens de jornais da época.
Nas fotos, há pessoas que não reconheço. Peço aos que saibam quem são, que deixem recados com os nomes, para que eu possa completar todas as legendas.
________________________________________________________





































Sensei Inoki com o grande Ronaldo Carlos (RJ), um dos maiores lutadores de todos os tempos

Esquadrão do Rio de Janeiro, equipe praticamente invencível na década de setenta


Tanaka fala sobre o início do karate no Brasil



Ronaldo Carlos vence a Taça República de karate. Para se ter uma ideia do nível da competição, os quatro finalistas foram: Ugo Arrigoni (RJ), Ennio Vezzuli (SP), Ricardo D'Elia (SP) e Ronaldo Carlos (RJ)


Flagrante histórico do momento em que sensei Tanaka foi desafiado por Hélio Gracie para fazer uma luta contra Carlson, em 1955. Segundo a legenda do jornal, Tanaka aceitou o desafio, desde que fosse para lutarem ali mesmo, onde só um dos dois sairia vivo. 


Abaixo, matérias antigas gentilmente cedidas por Ary Arsolino







Final do campeonato brasileiro universitário entre Luciano Zahar e Victor Hugo Blanco Bittencourt





Marcus Vinícius Teixeira, Guga, Marcelo Moscoso e Paulo Góes, em apresentação na TV nos anos oitenta

Dois personagens que fizeram história no karate brasileiro: Daigo Jordão (E), primeiro campeão brasileiro de karate Tradicional, e Altamiro Cruz (D), multicampeão da WUKO nos anos noventa
* Foto gentilmente cedida por Daigo Jordão


* Matérias de jornal gentilmente cedidas pelo sensei Juarez Alvez (Jacaré)





































































Campeão (Daigo Jordão) e terceiro lugar (Marcus Vinícius), no kumit individual do I Campeonato Brasileiro de Karate Tradicional (1989)

Marcus Viníius e Daigo com os técnicos Flávio Costa e Ronaldo Carlos

Lirton Monassa, Denílson Caribé e Watanabe

Lirton Monassa





Tanaka e Uriu

Ugo Arrigoni voando no Kanku Sho (década de oitenta)






Lirton e Uriu em visita do sensei Nakayama ao Brasil










Corpo de arbitragem de campeonato carioca nos anos oitenta: Roberto Pestana, Eduardo Azeredo, Rivelino, Victor Hugo, Paulo Góes, Tanaka e Flávio Costa
























Juarez Alves (RN) em ação no ano em que foi campeão brasileiro de kumite individual



Foto e texto do sensei Delia na revista Karate








Daigo Jordão com o troféu dcampeão sul-sudeste 1989









III Campeonato Brasileiro de karate, 1971, Rio de Janeiro








 Nas três fotos acima, o sensei Fernando Athayde em competições de kata (Hangetsu) e kumite
Sensei Tadeshi Takeushi
Sensei Takeushi aplicando um yoko tobi geri perfeito



 Ricardo D'Elia vs Sasaki

 Paulo Góes, Fernando Soares, ?, ?, Victor Hugo e ?
 Victor Hugo Blanco Bittencourt
 Victor Hugo e sensei Inoki
 Victor Hugo kata
 Victor hugo lutando na década de setenta




 Equipe paulista na década de setenta. O primeiro é sensei Sasaki.
Seleção Brasileira Tradicional com Niltão (RN), Zanca (MT), ?, ?, de pé, e Paulo Afonso (PA), Sensei Watanabe, ? e Vinício Antony (RJ)

Seleção carioca super campeã na década de setenta. De pé: ?, Paulo Góes, Victor Hugo, Ronaldo Carlos, Flávio Costa, Lirton Monassa. Agachados: Ruy, Sensei Inoki e Ugo Arrigoni.

Seleção carioca do final dos anos setenta.

De pé: Antônio Gomes Martins, Sasaki, Ennio Vezzuli e Ricardo D'Elia. Sentados: Okhuda e Nakayama sensei.

Ugo Arrigoni, ao lado do sensei Nakayama, na época em que morou e treinou em Ebisu (Japão)



Resultado final Camp.Carioca 1969.


1o lugar - Sensei Fernado Soares. (Kobukan)

2o Paulo A. L. Almeida. (Uriu)


A Seleção de Ouro do Brasil
Ronaldo Carlos (sentado), depois de nocautear um adversário.

Sensei Tanaka, Flávio Costa, Victor Hugo e Ronaldo Carlos.

Sensei Tanaka aplicando um mawashi geri em Lirton Monassa.


Professor Nakayama (centro) ministrando um curso na Bahia, na década de setenta


Olha o Machida aí, novinho, agachado atrás do troféu







Sensei Tanaka, Ugo Arrigoni, Ronaldo Carlos e Flávio Costa


Flávio Costa e Victor Hugo lutando

Década de 70 com ginásio lotado

Ugo Arrigoni (centro) na época em que morou no Japão, treinando com sensei Nakayama e Kawawada

Ronaldo Carlos, Flávio Costa, Victor Hugo (de bigode), Fernando Athaíde e Zeca Quintanilha

Flávio e Victor Hugo

Flávio Costa lutando em kokutsu dachi

Curso com sensei Nishiyama no Rio


Flávio Costa, Sasaki, sensei Yasutaka Tanaka, Masahiko Tanaka e Paulo Góes no Nevada (Arrigoni Dojo)


Seleção Brasileira 1975. De pé: Ugo Arrigoni (RJ), Machida, Tanaka, Denílson Caribé (BA) e Antônio Pinto (MG). Sentados: Sasaki, Paulo Góes (RJ), Watanabe, Fernando Soares (RJ), Dorival Caribé (BA)

Watanabe, Sasaki e Róbson Maciel

Seleção Brasileira no Panamericano de 1978 (campeões por equipe): Ricardo D'Elia (SP), Flávio Costa (RJ), Antônio Pinto (MG), Ronaldo Carlos (RJ), Lirton Monassa (RJ), sensei Inoki e Fernando Athaíde

Ronaldo Carlos: A Lenda



Paulão em ação

Seleção Carioca de 1972 (de pé: Joubert, Ronaldo, Paulão. Agachados: Ugo Arrigoni, Lirton e Fernando Soares)

Seleção Brasileira no campeonato mundial do Egito, em 1983. Nessa competição, a equipe de kumitê do Brasil conquistou o quarto lugar, e só não disputou o bronze porque três de seus componentes estavam machucados. Grandes heróis: Laerte Ferraz, Ugo Arrigoni, Johanes Freiberg, Robson Maciel e Ronaldo Carlos.


Djalma Caribé (BA), Juarez Alvez (RN), Robson Maciel (SP) e Ugo Arrigoni (RJ)

Sulamericano de 1981, em Buenos Aires, ARG. Brasil vice-campeão de kata e luta por equipes. Na foto: Juarez Alvez (RN), Ugo Arrigoni (RJ), Robson Maciel (SP) e Ronaldo Carlos (RJ)




Nas três fotos acima, trechos da matéria que saiu na revista norte-americana Black Belt, em 1972, ano em que o brasileiro Luís Watanabe sagrou-se campeão mundial de luta individual. Nas oito lutas que fez, venceu todas por ipon, colocando seu nome na história - e de quebra no Guiness Book, o livro de récordes. Nessa competição, vários países fizeram um boicote e não participaram - entre eles o Japão. Mas Watanabe, que não tinha nada com isso, foi lá e fez bonito, vencendo de forma incontestável oito fortes oponentes.
A matéria completa pode ser conferida no link:


Seleção Brasileira de 1974. Só fera...
De pé: Ricardo D'Elia (SP), Antônio Pinto (MG) e Ronaldo Carlos (RJ). Agachados: Watanabe, Ugo Arrigoni (RJ) e sensei Tanaka

1974

Watanabe, Ugo Arrigoni e Ricardo D'Elia



Mae geri aplicado pelo sensei Sasaki contra a fera Enio Vezzuli, ambos de SP

Ronaldo Carlos (RJ) contra Ricardo D'Elia (SP)

Reparem no público...

Equipe do Rio de Janeiro composta por gigantes: Flávio Costa, Ugo Arrigoni, Paulo Góes, Ronaldo Carlos e como técnico, sensei Inoki

Watanabe (RS) contra Ricardo D'Elia (SP)


Ginásio lotado para ver o combate entre Fernando Athaíde e Ricardo D'Elia.