quinta-feira, 30 de maio de 2013

Sul Sudeste 2013

video

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Sul Sudeste 2013

 As gaúchas, campeãs de kumite por equipes
 Kata por equipes feminino (PR)
 Ruyter Almeida (PR)
 A delegação do Rio de Janeiro
Walkyria, Suellen e Andréia




Foi realizado nesse final de semana (25 e 26 de maio) o V campeonato Sul-Sudeste de karate-dô Tradicional, na cidade de São José dos Pinhais, PR.
O evento contou com a presença dos maiores atletas das regiões, e as disputas nos dois dias de competição foram muito acirradas.
No feminino, Suellen Souza confirmou a excelente fase pela qual está passando, e venceu as categorias de kumite individual e fuku-go. Na primeira categoria, teve que passar por pedreiras como Natacha Marques (RJ) e Manuela Spessatto (RS) para chegar à final, contra a gaúcha Hannah Aires, atual campeã brasileira JKA. Já no fuku-go, ela venceu a conterrânea e companheira de Seleção Brasileira Tradicional Walkyria Fernandes.
No kata, Walkyria levou o título, deixando a campeã brasileira JKA, Manuela Spessatto (RS) com a prata, em uma disputa decidida por décimos.
Nas categorias por equipe, o Rio de Janeiro fez grande confronto contra o Paraná, e as cariocas conseguiram vencer as atuais campeãs brasileiras Tradicional por um wazari. Na final, as gaúchas foram superiores, e ficaram com o título. No kata o ouro ficou com o Paraná.
No masculino, o Paraná dominou a categoria por equipes, levando o ouro no kumite (na final contra o Rio de Janeiro, que tentava o tricampeonato), e no kata, com um excelente Nijushiho com um Bunkai (aplicação) fiel ao kata.
Nas categorias individuais, Vinícius Sant’Anna (PR), atleta da Seleção Brasileira Tradicional há mais de dez anos, estava em dia inspirado: venceu o kata individual, deixando Ricardo Buzzi (PR) com a prata e kumite individual, na final contra o conterrâneo e amigo Jean Laure, e chegou à final do fuku-go (kata e luta, uma rodada de cada), mas perdeu na luta final para Jayme Sandall (RJ)
No kumite individual, os dois atletas que haviam feito as últimas finais não tiveram sorte: de um lado, Ricardo Buzzi estirou o músculo da perna ao dar um mawashi jodan, e perdeu por doctor stop (abandono por motivo de lesão). Do outro, Jayme Sandall (atual bicampeão) acertou um kizami zuki que quebrou o nariz de seu adversário, e levou hansoku (desclassificação) pela primeira vez em sua carreira.
Vinícius Sant’Anna venceu todas as suas lutas de forma consistente, e conquistou o título dentro de casa.
RESULTADOS
- Kata por equipes feminino: 1) PR / 2) RS / 3) RJ
- Kumite por equipes feminino: 1) RS  2) RJ  3) PR
- Kata individual feminino: 1) Walkyria Fernandes (PR) / 2) Manuela Spessatto (RS) / 3) Andréia Leite (PR) / 4) Cristiane Babinski (RS)
- Fuku-go feminino: 1) Suellen Souza (PR) / 2) Walkyria Fernandes (PR) / 3) Manuela Spessatto (RS) – 3) Natacha Marques (RJ)
- Kumite individual feminino: 1) Suellen Souza (PR) / 2) Hannah Aires (RS) / 3) Manuela Spessatto (RS) – 3) Andréia Leite (PR)

- Kata por equipes masculino: 1) PR / 2) RS / 3) RJ
- Kumite por equipes masculino: 1) PR / 2) RJ / 3) RS – 3) SC
- Kata individual masculino: 1) Vinícius Sant’Anna (PR) / 2) Ricardo Buzzi (PR) / 3) Celso (PR) / 4) André Michellini (PR)
- Fuku-go masculino: 1) Jayme Sandall (RJ) / 2) Vinícius Sant’Anna (PR) / 3) Ricardo Buzzi (PR) – 3) Jean Laure (PR)
- Kumite individual masculino: 1) Vinícius Sant’Anna (PR) / 2) Jean Laure (PR) / 3) Delian (PR) – 3) Cleberson Santi (PR)

domingo, 19 de maio de 2013

Belfort vence Rockhold



O mais espetacular nocaute de toda a carreira de Vitor Belfort.
Essa é a melhor maneira de definir essa luta, que foi o confronto principal do UFC on FX 8, realizado na cidade de Jaraguá do Sul, SC.
Desde o começo, Belfort parecia caçar o adversário, mesmo quando caminhava para trás. Rockhold, por sua vez, apesar de caminhar para frente, tentando encurtar a distância, parecia um tanto perdido, e soltava golpes que foram facilmente defendidos pelo brasileiro (essa foi a base de nosso treinamento de karate Shotokan na Florida: a defesa dos perigosos chutes altos do americano).
Ainda no começo do round, Vitor soltou um chute rodado, que passou longe de Luke. Parecia um golpe perdido, um chute plástico mas que não teria eficiência.
Grande engano.
Pouco depois, Vitor marcou a distância e disparou o tiro: um chute rodado que explodiu no queixo do americano, levando-o a um knockdown. Enquanto Luke ainda caía, Vitor já disparava para cima dele, soltando a usual metralhadora de socos que o consagrou.
Lindíssimo nocaute de um lutador que a cada dia prova que seu apelido, "The Phenom", é mais do que merecido.

Falando da minha experiência com Vitor, o que posso dizer é que ele realmente é um lutador diferenciado, capaz de aplicar golpes nos treinos que ninguém mais consegue. Nos sparring, vira e mexe ele tira um coelho da cartola que deixa todo mundo de boca aberta.
Agora, acredito que sua próxima luta deva ser pelo cinturão dos pesos médios, contra o vencedor de Anderson Silva e Cris Weidman, marcada para julho.

OSS!!
* abaixo, o vídeo onde ele me cita nos agradecimentos.

video

No link, coletiva de imprensa pós luta: https://www.youtube.com/watch?v=B-PWog__KtQ

terça-feira, 14 de maio de 2013

Fotos Campeonato Brasileiro JKA 2013

Abaixo, fotos tiradas por Sidney Oliveira, profissional de mão cheia que vem fazendo um trabalho excepcional tirando fotos na JKA.
Seu filho, Sávio Oliveira, é campeão brasileiro de kata e kumite na JKA.
Quem se interessar em comprar fotos em alta definição desse e de outros eventos JKA, basta entrar em contato: Sidney Oliveira (sidneyoliveiraimagem@hotmail.com)
(91) 80321823 ( tim )
(91) 99060189 ( oi )

 Nas duas fotos acima, semi-final contra Alison Batista (SP)


Kata individual: perdi na primeira rodada


Segunda rodada, contra um excelente atleta do RS, com um go no sen afiadíssimo



Quartas de final contra André Azevedo (SP): minha luta mais difícil, decidida no hantei (bandeirada)


Grande final contra Fábio Simões (SP)

 Respeito
Ainda sem acreditar que tinha vencido

Comissão técnica JKA do Brasil

 Os árbitros

 Sensei Sasaki
 Juramento do atleta
Sensei Machida cantando
 

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Resultados Campeonato Brasileiro JKA 2013



Feminino

-          Kata equipe feminino: 1) JKA – RS (Hannah Aires, Manuela Spessatto e Cristiane Babinski)  /  2) AKK dojô (RJ)  /  3) Nikkei (PR)

-          Kumite equipe feminino: 1) JKA – RS (Hannah Aires, Manuela Spessatto e Cristiane Babinski)  /  2) AKK dojô (RJ) / 3) MA Fight (SP)


-          Kata individual feminino: 1) Manuela Spessatto (RS) / 2) Juliana Vitral (MG) / 3) Aline Dota (SP)

-          Kumite individual feminino: 1) Hannah Aires (RS)  /  2) Bruna Lee Cadena (RJ)  /  3) Natacha Marques (RJ)  -  3) Aline Dotta (SP)


Masculino

-          Kata equipe: 1) GRB (Andrew Marques, Marcel Apolônio, Leonardo)  /  2) Sekaikan (SP)  /  3) JKA - RS

-          Kumite equipe: 1) JKA – RS (Rafael Moreira, Sidnei )  /  2) Shobukan (Fábio Simões, César Cabral e Leandro Calhado)  /  3) Zanchin (SP)  -  3) Sekai (BA)


-          Kata individual: 1) Andrew Marques (SP) / 2) Rogério Higashizima (SP) / 3) William Tavares (SP)

-          Kumite individual: 1) Jayme Sandall (RJ)  /  2) Fábio Simões (SP)  /  3) Alison Batista (SP)  -  3) Roberto Mendes (RJ)

segunda-feira, 6 de maio de 2013

XIV Campeonato Brasileiro JKA 2013



Foi realizado, de 02 a 05 de maio, o XIV Campeonato Brasileiro JKA. Mais uma vez, a competição foi sediada pelo clube Nipon, na cidade de Arujá, SP, e contou com a presença de mais de 250 atletas.
O CURSO
Nos dias 02 e 03 foi realizado o tradicional curso pré-competição. A novidade nesse ano foi que, além dos mestres Sasaki e Machida ministrarem treinamentos de altíssimo nível, alguns atletas com mais de dez anos de Seleção Brasileira foram escolhidos para darem treinamento, focando, cada um, em suas especialidades.


Rousimar Neves (MG) foi o primeiro. Com 5 títulos brasileiros de kata individual na bagagem, esse mineiro mostrou que além de um atleta excepcional que prova que a técnica correta supera qualquer barreira física (foi pentacampeão brasileiro aos 49 anos de idade), é um professor de mão cheia. Seu curso foi sobre o Sochin, e em todos a opinião foi unânime: saímos do curso com vontade de treinar o Sochin. Sensei Alfredo Aires (RS) e Gérson Almeida (SP) o supervisionaram.


Em seguida, Wagner Pereira (SP). O capitão da Seleção Brasileira demonstrou sua técnica de gyako-gyako, de forma pedagógica e com macetes valiosos para todos. Do alto de seus 42 anos, o atual bicampeão paulista JKA de kumite individual mostrou o passo a passo de seu golpe favorito, e deu a todos os presentes a oportunidade de aperfeiçoarem seu kumite. Sensei Yasuiuki Sasaki o supervisionou.


Logo depois, eu dei um curso sobre o meu golpe favorito. Sem surpresa para ninguém, falei sobre o kizami zuki. Na verdade, não há grande segredo sobre essa técnica, ou sobre a forma como eu a aplico. Apenas mostrei a minha forma de treinamento desse golpe, desde a base, forma de pisar no chão e avanço das pernas, até a parte do braço, sem mostrar o golpe, mover os cotovelos ou ombros, e passando até pela expressão facial, que deve ficar neutra durante todo o movimento. Sensei Ugo Arrigoni me supervisionou.


Chinzô Machida (PA), veio em seguida, falando sobre o go no sem. O maior campeão da história da JKA do Brasil demonstrou técnicas de postura, tempo e distância com o intuito de recuar sem perder jamais a chance do contra-ataque. Sensei Machida o supervisionou.


Depois, veio Fábio Simões (SP), o mais carismático de todos os atletas da Seleção Brasileira. Único lutador a jamais perder uma luta pela equipe do Brasil, Fabinho deu um show com um curso sobre o deai. Começou com o kihon básico, passando por um kihon ipon, e terminando com um treinamento de deai em grupo, que foi fantástico. Sensei Kazuo Nagamine o supervisionou.


Por fim, Rafael Moreira (RS). Supervisionado pelo sensei Alfredo Aires, o gaúcho fez um treinamento de ashi barai que com certeza fez com que todos que fizemos o curso passássemos a enxergar o ashi barai com outros olhos. Deixou de ser apenas um passa-pé para se mostrar uma técnica apurada, que demanda um kihon específico. Excelente.
Para nós, foi uma oportunidade fantástica, e uma prova de que a JKA tem como objetivo a renovação, tanto de atletas quanto de mestres, mostrando que o importante não são as pessoas, mas a entidade como um todo. 


A COMPETIÇÃO (aqui, como sempre, escreverei em terceira pessoa)

No dia 04 foram realizadas as categorias até 17 anos. O que se viu foram disputas acirradas entre os futuros astros da JKA do Brasil. A postura dos jovens atletas não deixou nada a desejar em relação aos adultos, e foi empolgante assistir aos meninos e meninas em ação. A renovação parece estar garantida...
No dia 05, as disputas de 18 e 19 anos, máster (somente kata) e adulto.
No 18 e 19 anos, ficou a impressão de que os jovens estão preparados para subir para a categoria adulto. Essa categoria é de transição, para que os atletas que vêm desde o infantil possam se adaptar antes de se verem entre os adultos.
No máster, pela primeira vez houve a divisão em duas subcategorias – de 40 a 50 anos, e 51 acima. Em ambas, a academia AKK (RJ) reinou absoluta. Na primeira, vitória de José Antônio, e na segunda, ouro para o seu professor, o sensei Mário Cadena.
No feminino, domínio absoluto da JKA – RS. Pela primeira vez em 14 edições, uma única instituição levou todos os títulos em disputa. Mérito total do sensei Alfredo Aires, responsável pelo crescimento vertiginoso e consistente do karate JKA gaúcho.
A JKA-RS é uma instituição que aglomera diversas academias filiadas do Rio Grande do Sul.
Manuela Spessatto (RS) mais uma vez levou o ouro no kata individual, deixando a mineira Juliana Vitral em segundo. A atleta, nove vezes campeã sulamericana, mostra que fica cada vez mais difícil ser derrotada na categoria.
Tanto no kata quanto no kumite por equipes, vitória das gaúchas, deixando as cariocas da AKK Dojô em segundo lugar. Mérito das atletas do Rio de janeiro, que vieram com força total e deixaram as disputas muito acirradas.
No kumite feminino, surpresa com a derrota precoce de algumas favoritas, como a atual campeã sulamericana Juliana Vitral (MG), e de Manuela Spessatto. Na finalíssima, Bruna Lee Cadena (RJ), travou uma verdadeira batalha contra Hannah Aires (RS). As duas empataram no tempo normal, e também no sai shiai (desempate). A gaúcha conseguiu a vitória no hantei (bandeirada) de forma justa – teve mais iniciativa durante todo o combate. Uma final de prender a respiração, arbitrada de forma excepcional pelo sensei Marcelo Miorelli (RS).
No masculino, várias academias de diferentes partes do Brasil se alternaram no lugar mais alto do pódio.
No kata por equipes, deu GRB (SP) mais uma vez. Os pupilos do sensei Ruy Koike conseguiram manter a qualidade de sua equipe, mesmo com a ausência de Rodrigo Alves, que, vindo de cirurgia no joelho, ajudava do lado de fora do koto. Destaque ainda para a equipe vice-campeã, da Sekai Kan (SP). Os alunos do sensei Gérson Almeida honraram o nome do mestre, mostrando técnica, espírito de luta e postura.
No individual, mais um ouro para o GRB, com Andrew Marques (SP), que deixou seu conterrâneo, Rogério Higashizima (atual campeão Sul-Sudeste Tradicional de kata individual) com a prata, em uma disputa decidida por décimos.
No kumite individual, lutas de alto nível entre atletas conhecidos e novas caras que apareceram e impressionaram.
Para o público foi um espetáculo ver lutas empolgantes entre alguns dos melhores lutadores de Shotokan JKA do Brasil.
No final de tantas batalhas, os quatro semifinalistas: Fábio Simões (SP), que veio de vitória sobre Adalberto Sanchez (PA); Roberto Mendes (RJ), que passou no hantei (bandeirada) por Wagner Pereira (SP); Alison Batista, que venceu César Cabral (SP); e Jayme Sandall (RJ), que passou no hantei (bandeirada) por André Luiz (SP) em luta duríssima.
Jayme e Alison se enfrentaram em duas oportunidades (semifinal do brasileiro JKA de 2011, e final do brasileiro Tradicional de 2011), e começaram a luta se estudando muito. Alison tentou um ashi barai, mas Jayme conseguiu encaixar um gyako de deai: wazari. Em seguida, entraram com kizami zuki praticamente simultâneos: 2 x 0 para Jayme, que foi para sua terceira final em 4 anos.
Fabinho usou de toda a sua experiência para vencer a maior velocidade de Roberto. De cara, o carioca entrou com um gyako tchudan, e Fabinho contra-atacou de ashi barai e gyako zuki: wazari. Em seguida, Roberto entrou novamente. Dessa vez o contra-ataque foi de haitô, que pegou em cheio no olho do carioca: 2 x 0 para Fabinho, que, assim como Jayme, chegava à sua terceira final em 4 anos.
Os dois atletas, além de velhos conhecidos dentro do kotô (essa foi a terceira final JKA entre os dois, quinta luta no total), são muito amigos. A disputa, apesar de tensa e repleta de golpes muito fortes, foi caracterizada pelo respeito intenso entre os dois.
Jayme conseguiu um melhor domínio do koto, e saiu da final com a vitória, sagrando-se bicampeão de kumite individual da JKA. Fabinho tentava o tetra.
No final, num gesto que deixou a torcida aplaudindo de pé, Fábio Simões tirou suas luvas de competição – as mesmas que vinha usando há anos -  e entregou-as ao adversário. Belíssima demonstração de espírito de samurai de um lutador acostumado a ser campeão.
Por fim, a categoria mais importante: o kumite por equipes.
Na grande final, não se ouvia um único som vindo das arquibancadas enquanto a Shobukan (SP) enfrentava a JKA – RS.
Para aumentar ainda mais a emoção, ao final das três lutas, tudo empatado.
César Cabral pediu a Fábio Simões – o capitão da Shobukan:
- Deixa eu lutar o desempate. Deixa que eu luto.
Dava para ver a vontade nos olhos de Cabral, que atravessa excelente fase, tendo sido convocado em 2012 para a Seleção Brasileira Tradicional.
Do outro lado, o capitão da equipe gaúcha, Rafael Moreira.
Cabral vinha focado, e era um adversário temível. Mas o problema é que do outro lado estava um Rafael Moreira motivado. E quando ele está assim, ainda mais fazendo a luta desempate de uma equipe, fica muito difícil, para qualquer lutador do mundo...
Rafael conseguiu um deai de gyako zuki tchudan que pegou Cabral no tempo exato, conseguindo derrubar o oponente. Ipon para o gaúcho, o que deu a vitória à JKA-RS. No final, o choro merecido dos campeões por equipe, que sabiam que tinham acabado de passar por uma das equipes mais fortes do Brasil em uma final de tirar o fôlego.
Agora resta aos atletas que se destacaram aguardarem pela convocação para o sulamericano JKA do Paraguai, que acontece no dia 7 de setembro.
OSS!

Em breve resultados completos e fotos dos confrontos