quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Chinzô Machida perde em sua reestréia no MMA



Ontem à noite, em Salvador, BA, ocorreu o evento de MMA Win Fight & Entertainment (WFE). Na luta principal da noite, o vice-campeão mundial da JKA, Chinzô Machida, enfrentou o faixa-preta de jiu-jitsu Leonardo Laiola.
Chinzô começou a luta como sempre fez no karate: indo para cima o tempo todo. Ansioso, ele não conseguia - ou não queria - esperar que o oponente atacasse, e por isso ele tomou a iniciativa. Sempre caminhando para frente, ele atacou com socos e chutes, encaixando inclusive um mae geri (chute frontal) que fez com que o oponente acusasse o golpe.
Tudo ia muito bem nesse primeiro round, com o carateca dominando o octagon, quando o chão molhado resolveu se voltar contra Machida.
Ele pisou em uma pequena poça, e escorregou, caindo bem perto da grade. Laiola, que de bobo não tem nada, partiu para cima imediatamente, castigando o carateca com ground and pound. Chinzô estava com a cabeça encostada na grade, e levou vários socos no rosto. Logo em seguida, Laiola foi para o chão, e acabou pegando as costas do paraense, encaixando um mata-leão defendido com dificuldade. Mas Chinzô conseguiu se livrar do sufoco, ficando de pé.
No segundo round, ele caminhava para cima novamente, quando deu um mae geri e escorregou de novo. Dessa vez, Laiola não conseguiu muita coisa, pois Chinzô fechou a guarda. O árbitro, Carlão Barreto, paralisou a luta, e os dois voltaram de pé.
No resto do segundo e no terceiro round, Chinzô atacou o tempo todo, caminhando para frente, enquanto Laiola caminhava para trás e se defendia, tentando às vezes encaixar um cruzado. Mas nenhum golpe do carateca entrou com contundência, e Laiola venceu por decisão unânime dos árbitros.
Conversei com Take, o irmão mais velho de Chinzô, e ele me disse que eles todos estavam muito tranquilos, apesar de tristes com a derrota. Chinzô aceitou bem, e agora pensa em acumular mais lutas, ganhar experiência, e seguir com sua carreira no MMA.
Agora, para a família Machida, é olhar para frente, e torcer para que 2011 traga mais sorte do que 2010...
De consolo, ficou a vitória de Perseu, da academia Machida, que fez a primeira luta da noite, vencendo por desistência do oponente.
OSS.

4 comentários:

Dane Baldini disse...

Oie Jayme, Estive presente no evento e só para completar Chinzô fraturou a mão no 1º round! Bjosss

Jayme Sandall disse...

Putz, Dane, então não era mesmo o dia dele, porque aquele chão escorregadio não ajudou em nada...

Dane Baldini disse...

Pois é.. Não ajudou mesmo.. Chinzô terá que operar a mão, devido a fratura.. Bjoo

Bwana Ricardo disse...

As regras destas lutas de MMA e de Vale-Tudo (que de valer "tudo" não tem nada) dão clara vantagem ao jiu-jitsu:

1 - Uso de luvas. O Seiken perde o Kime (impacto + chicotada) e sobra só o "empurrão".

2 - Proibição de golpes com pontas de dedos. Nada de Nukite nem Ippon-ken visando nervos ou pontos vitais.

3. Proibição de golpes "invasivos". Nada de usar as mãos para agarrar costelas ou pescoço e nem para pressionar nervos entre os músculos ou pontos sensíveis no rosto ou articulações. Olhos e genitália, então, nem pensar!

4. O chão do ringue é macio e escorregadio. Facilita as quedas e a movimentação no solo - mas dificulta chutes (como aconteceu com o Chinzo). Os organizadores poderiam utilizar pelo menos um tatame áspero e permeável.

Enfim, para evitar que os lutadores se matem, são inventadas regras e equipamentos que retiram o que há de mais eficiente em combate... É por isso que, pessoalmente, acho que não deveria haver competições e muito menos lutas em ringues e coisas do tipo.

Para mim, arte marcial que não englobe aspectos de defesa pessoal, filosofia de vida e crescimento espiritual não é ARTE MARCIAL, é só um estilo de LUTA (e lutar é uma coisa que QUALQUER animal treinado pode fazer bem, desde galos de briga até seres humanos). Mas esta é só a minha opinião pessoal...