terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

A união é possível

A histórica imagem acima, onde os mestres Yasutaka Tanaka (de costas), Masahiko Tanaka (com o microfone), Tasuke Watanabe (camisa preta) e Yoshizo Machida (de barba) estão juntos, aplicando um gyako tsuki, foi registrada no XIII campeonato Brasileiro JKA, realizado em abril de 2012, no Rio de Janeiro.

Muito mais do que a reunião de quatro grandes ícones do karate Shotokan mundial, essa foto representa uma esperança: a união é possível.

Quando sensei Nishiyama criou a ITKF, na década de oitenta, seu objetivo era resgatar o karate da forma como o tinha aprendido no Japão, pois ele se preocupava com os rumos que o karate esportivo estava tomando. Com isso, nasceu o karate Tradicional.
A JKA, entidade mais antiga do mundo de karate Shotokan, e de onde saíram os principais mestres (Nakayama, Nishiyama, Asai, Kanazawa, Oishi, Yahara e muitos outros, além dos quatro mestres da foto acima), estava envolvida em uma batalha interna que gerou um racha na entidade. Mas hoje isso é passado. A JKA está unida no Japão, e no mundo as entidades representativas da JKA crescem a cada dia. No Brasil, a JKA vem crescendo de forma exponencial nos últimos dez anos.
Então eu pergunto: o que há de mais tradicional no karate Shotokan do que a JKA?

A ITKF jamais competirá com a JKA, e vice-versa, pelo simples fato de uma ser uma entidade federativa (ITKF) e a outra ser uma escola (JKA). Ou seja, elas podem - e devem - caminhar juntas, unindo forças, sem que uma entre em competição com a outra.

Essa foto é a prova definitiva de que a união entre a ITKF e a JKA é possível.

De um lado, Yasutaka Tanaka, presidente de horna da CBKT, e Tasuke Watanabe, técnico da Seleção Brasileira Tradicional; do outro, Masahiko Tanaka, instrutor-chefe da JKA do Japão e Yoshizo Machida, técnico da Seleção Brasileira JKA.
Juntos, unidos em prol do karate.

Sonho em ver as duas entidades juntas.

Particularmente, tenho o privilégio imenso de fazer parte das duas Seleções Brasileiras - JKA e Tradicional. Tenho a oportunidade de ouro de ser treinado pelos mestres Watanabe e Machida, e de conviver e treinar com a nata do karate JKA e do Tradicional.
Mas sonho um dia poder ver a Seleção unificada, um único grupo, composto pelos melhores lutadores do Brasil, representando nosso país nas competições internacionais da ITKF e da JKA.

OSS!

2 comentários:

Heiny Sugahara disse...

Excepcional registro!!! Acho que a união entre a ITKF e JKA é a solução para o grande problema que o karatê enfrenta. Hoje em dia é comum encontrar diversas federações e associações, encontramos campeões brasileiros e campeões mundiais de diversas federações e associações diferentes. O karatê deve ser um, deve ser preservado como foi concebido, ou seja, com o intuito marcial, assim como é ministrado na JKA e ITKF. Falta sim aqui no Brasil uma instituição fiscalizadora para verificar a idoneidade de cada federação ou associação criada, para que o karatê não tome outros "caminhos ou finalidades", similar ao que aconteceu na WKF e aqui no Brasil com a CBK.

Marcos Piolla disse...

Isso tem que acabar. A JKA é a escolha de Funakoshi para o desenvolvimento do Karate!

Ele era um Educador e criou uma escola e, como em tudo que vem pra melhor, A BASE TEM QUE SER A ESCOLA!

Tudo veio dela e nela tudo deveria se concentrar.

A união é possível, porém difícil e os egos terão que ser postos de lado em prol de um bem maior...

OSS!