segunda-feira, 28 de março de 2011

DESUNIÃO TOTAL

Como definir quem é o campeão brasileiro, ou mundial, atualmente no karate? Para o público leigo, fica impossível sequer tentar começar a entender as inúmeras divisões que fragmentaram essa famosa arte marcial. E para os próprios amantes, praticantes e atletas de karate, fica bem difícil. Infelizmente, um grande campeão de uma organização pode ser um completo desconhecido para os lutadores de outra.

Lembro bem que certa vez eu conversava com uma carateca de uma organização que eu não conhecia, e eu falava sobre o Tradicional e a JKA, e ela simplesmente não conhecia – e nem demonstrava o menor interesse em conhecer – ninguém. Nem os mestres, nem os atletas. Na época (2006) perguntei sobre os Machida, e ela fez uma cara como se eu estivesse falando de algum obscuro japonês sem importância. Depois do sucesso estrondoso do Lyoto, todo mundo começou a dizer que ele era do SEU karate. Engraçado...

Enfim, isso é muito triste. O cara se esforça, treina como um louco, alcança um título expressivo, e grande parte dos praticantes de karate nem sabem quem ele é. Em uma tentativa patética de solucionar esse problema, muitas pessoas começam a dizer que suas organizações são as mais fortes, as únicas, as verdadeiras. Essa tentativa de enaltecer o título diminuindo os outros é deselegante, para dizer o mínimo. O pior é que esse caminho de desintegração do karate, para mim, infelizmente parece sem volta. Hoje há tanto ressentimento entre as organizações, tantos interesses em jogo (dinheiro e poder são os principais, sempre), que ninguém vai querer dar o braço a torcer. Voltar atrás? Deixar de ser o presidente supremo todo-poderoso da MINHA organização para ter um cargo secundário em outra? Jamais!

Entre os praticantes, também, tem crescido um sentimento de desunião, todo mundo achando que a SUA é melhor que a do outro. “Ele foi campeão de tal organização? Grande coisa, esse karate não é tão bom quanto o que eu pratico...” Triste. Essa desunião gera enfraquecimento, confusão, afasta patrocinadores e público, e assusta a mídia, que não se interessa em divulgar os eventos, sem compreender como pode o fulano ter sido campeão, se o cicrano também foi na semana passada. Haverá solução?

Talvez o simples respeito entre os atletas e praticantes possa melhorar esse quadro.

E, para resumir: se você quer dizer que tal federação ou organização é fraca, por favor, primeiro vá até lá e seja campeão. Daí sim, se quiser falar mal, pode até ser deselegante ou errado, mas pelo menos não vai soar como dor de cotovelo.

OSS.

8 comentários:

Daniel Veríssimo Pinto disse...

Essa desunião provém da falta de ocnhecimento sobre a historia do karate e até memso do costume e suposta filosofia da arte ( digo suposta por qu epara mim é a filosofia japonesa ao inves do karate). Muitos falam de BUDO ou samurai , mas poucos conhecem a boa aeducação que é o alicerce disto tudo. Eu era assim, tinha um rei na barriga e acreditava que minha federação/escola era a única, até que reconheci qu enão conhecia nada sobre o assunto. hoje meu maior objetivo é mostrar aos outros o quanto idiota e egoísta era quando pensava desta forma, uso o meu blog para alcançar os que ainda são assim, e tenho certeza que o senhor pensa o mesmo com a divulgação do seu trabalho. Um abraço sensei, Oss!

Jayme Sandall disse...

Eu também era assim, achava que só o "MEU" karate era o melhor. Daniel, acho que isso vem da ignorância, porque conforme evoluímos em nosso aprendizado, vemos que na verdade sabemos muito pouco perto de tudo o que existe por aí. Engraçado, porque uma das primeiras coisas que supostamente o praticante de karate deve aprender é o Dojo Kun, onde existe o mandamento: "respeito acima de tudo"
OSS!

Katsumoto's Karate do disse...

Pior ainda é quando os Chefes das Organizações não dão o Exemplo, como é o caso de muitas Orgs daqui.
Quanto tempo faz que os caciques não pensam mais no Karate de uma forma geral?
O que dizer de pessoas que querem dirigir 2 organizações ao mesmo tempo?
Nomes como Ennio vezulli, Taketo Okuda e Raimundo Sohaku Bastos impõem respeito sem estar vinculado a nenhuma Org. Sómente com a linguagem do verdadiro espirito do karate do.
ja estão em outro Patamar faz tempo.

Jayme Sandall disse...

Ennio, Okuda e Sohaku deveriam ter suas histórias amplamente divulgadas em toda e qualquer federação ou organização, assim como vários outros como Arrigoni, Ronaldo Carlos, Flávio Costa, Robson Maciel, Ricardo D'Elia, Victor Hugo, Jacaré, Lirton Monassa, Benedito Mão de Ferro e inúmeros outros monstros do karate brasileiro. Infelizmente faltam ídolos no karate. Mas aos poucos vamos tentando corrigir esse erro histórico, todos juntos...

pintokaratedojo disse...

-"Ennio, Okuda e Sohaku deveriam ter suas histórias amplamente divulgadas em toda e qualquer federação ou organização"

Gostei da idéia!

Jayme Sandall disse...

A minha idéia é utilizar o blog - bem como vocês, que têm blogues de karate com conteúdo - para enaltecer essas feras. Já que as federações pisam na bola ao "esquecerem" essas lendas, em vez de reclamar, acho que deveríamos resgatar as histórias vividas por eles. Como por exemplo a luta fantástica entre Ennio Vezzuli (SP) e Flávio Costa (RJ), que fizeram um combate de 11 minutos em uma final de campeonato brasileiro. Essas e outras histórias têm que ser preservadas.

Heaven disse...

Jaime,MUITO LEGAL ESTE ASSUNTO,TAMBEM GOSTARIA DE SER PARTICIPANTE DESTA IDEIA,CONTE COMIGO, GRANDE ABRAçO DO SEMPRE AMIGO PAULO AFONSO DO (PA.

Heaven disse...

GOTARIA DE LEVANTAR AQUI UMA GRANDE PREOCUPAçÃO.
DESDE MUITO TEMPO TENHO PERCEBIDO MESMO ENTRE OS KARATECAS,UMA GRANDE DESCONFIANçA EM RELAçÃO A EFICIÊNCIA DO KARATÊ NO MMA,GOSTARIA DE OUVIR OU LER OQUE OS KARATECAS ACHAM DESTA PREOCUPAçÃO.PAULO AFONSO.