segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Carta do sensei Yasutaka Tanaka






Minha vontade de conhecer, contar e documentar a história do nosso karate é quase uma obsessão.
No último sábado, em uma reunião da FERJKT, recebi das mãos do mestre Yasutaka Tanaka uma preciosidade, algo de valor incalculável: um caderno com as atas, resultados e detalhes dos 14 primeiros campeonatos brasileiros de karate, compreendendo o período entre 1969 e 1983.
Além disso, uma carta escrita pelo próprio sensei Tanaka, onde ele conta de forma resumida a história do karate Tradicional.
Os resultados dos campeonatos, postarei em breve na página "Resultados".
Segue abaixo a carta na íntegra:

“Em 1962, quando cheguei ao Rio de Janeiro, o karate era desconhecido pela maioria do povo carioca. Pouquíssimas pessoas tinham conhecido e treinado essa arte marcial, entre essas, o professor de educação física Lirton Monassa. Conheci Lirton e o professor de judô Almerídio Brandão, mais conhecido como Marujo, no Ginásio Brasileiro de Cultura Física. Ambos conheciam a luta e sua filosofia. Foi com a ajuda deles que consegui divulgar e popularizar o karate. Nascia então, na praia de Botafogo, a academia Kobukan, hoje CLUBE DE ARTES MARCIAIS KOBUKAN. Logo depois, Lirton Monassa tornou-se o primeiro faixa-preta brasileiro.
Nas décadas de 70 e 80, já havia várias Federações Estaduais, subordinadas a uma Confederação Brasileira.
Houve então uma cisão no karate estilo Shotokan mundial, sendo criadas duas federações de âmbito internacional: a W.U.K.O. (World Union Karate Organization) e a I.T.K.F. (International Traditional Karate Federation). O COI (Comitê Olímpico Internacional) reconheceu as duas federações. No entanto, aqui no Brasil não se queria reconhecer duas federações para o que se considerava um mesmo esporte. Nesse momento entra em cena o professor Manoel Tubino, que já treinara comigo e era presidente do C. N. D. ( Conselho Nacional de Desportos), órgão máximo do desporto brasileiro. Graças a ele – deixo aqui o meu agradecimento – consegui que reconhecessem que o karate Tradicional diferia do praticado pela WUKO. Com isso, pude continuar ensinando e divulgando o karate que aprendi no Japão.”

2 comentários:

Kleberc Pereira disse...

Boa noite!
Pertenci a lendária Kobukan, entrei em 1970, com apenas sete anos, não para fazer Karatê com o grande Yasutaka Tanaka, mas sim para iniciar minha trajetória no Judô, com meu querido 1º Mestre; "Marujo", fui seu aluno até sua morte em meados de 1978, mesmo com o fim da casa (sobrado), da Rua Sâo Clemente, continuei sob seus cuidados também. Tive a honra de conhece-lo, porque meu Pai era seu amigo e aluno, embora papai tivesse 10 anos a mais do que ele. Era conhecido na Kobukan como coronel Marcellino, e foi promovido pelo "marujo a 2º dan", não confundir com o coronel Alberi do Karatê. Almerídio Brandâo Pinheiro de Barros, o Marujo, como era conhecido era completo (Nage e Ne-waza)e em comparação a hoje posso dizer que praticávamos o GOSHINJUTSUKAN (judô tradicional), que compreendia a parte de Pé, Chão, Atemi e defesa Pessoal. Rigoroso com a disciplina, era um homem de excelente caráter, além de chefe do Departamento de Lutas da UFRJ. Falar da Kobukan juntamente lógico com Sensei Tanaka, não é falar de uma Academia, mas sim de um "Templo", dentro dos padrões Japoneses. Minhas congratulações ao Sensei Tanaka pela História que construiu no decorrer desses anos e minha eterna saudade ao meu primeiro Mestre no Judô: o "Marujo".
Meu nome é: Kleber Pereira e desde 1970, continuo meus estudos no GOSHINJUTSUKAN (judô tradicional), abraço a todos os ex alunos do "KOBUKAN CLUBE"

Kawika disse...

O-o-o-sss!
Tive o privilegio de estudar sob o Mestre Tanaka de 1967-1969, na Rua São Clemente 42. Ainda tenho uma foto de Tanaka-san, Inoki-san e outros, tomada no Rio naquela epoca, que eu gostaria muito de mandar a eles se tivesse um endereço de email.
Nunca pude voltar ao Brasil mas sempre tere saudades.
Um grande abraço a todos daquela época. Si alguém tiver notícias de Márcio Benvenuti, João Cândido Portinari (filho) ou qualquer otro aluno daquela época, eu gostaria muito saber deles.
Peço desculpa pela minha pouca capacidade com a lingua portuguesa.

David Rearwin,
San Diego, California
drwin808@gmail.com