terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Traição e códigos de honra

Anderson e Vitor lutaram. Disso todo mundo sabe, todo mundo viu, e deu no que deu, com o campeão mantendo seu cinturão de forma incontestável, provando seu talento imenso e sua habilidade quase inigualável.
Agora, um assunto que continua gerando muita polêmica, dividindo opiniões é sobre se eles deveriam ou não ter lutado. Anderson diz que não, Vitor diz que sim.
Não vou tentar ser juiz de nada, até porque sou parcial nessa história. Mas vou dar minha opinião, e contar um fato que presenciei, vi com meus olhos.

Lutadores são pessoas que vivem em função do esporte que escolheram. Sejam profissionais, como os lutadores de MMA, ou amadores, como os atletas do Shotokan Tradicional / JKA. Em ambos os casos, são pessoas que dedicam a vida às competições. Ou seja, treinam diariamente com o objetivo de serem campeões, vencerem torneios, ganharem de todos os adversários. Acho que não existe ninguém que treine para perder. Quem não gosta de ganhar, ou não liga para isso, não será atleta.
Tenho grandes amigos dentro do karate, espalhados por várias partes do Brasil. Pessoas com quem eu me identifico, que passaram por muita coisa comigo, gente que eu respeito e confio. Mas quando a gente se enfrenta nas competições Brasil afora, é um “pega pra capar”. E que vença o melhor. Derrotado e vencedor continuam sendo amigos, saindo juntos, rindo juntos, comentando sobre as lutas. Afinal, como escrevi acima, todo mundo está ali querendo a mesma coisa: vencer, ser campeão. E o alto do pódio é um lugar solitário...
Nunca conheci ninguém no karate que ficasse chateado porque um amigo quis lutar e vencer uma competição. Inclusive parceiros de academia, alunos de mesmos professores ou até irmãos (Lyoto e Chinzô se enfrentaram nas finais dos campeonatos brasileiros Tradicional em 1999 e JKA em 2001)


O UFC é o evento de MMA mais importante do mundo atualmente; é o que paga as melhores bolsas, que traz mais notoriedade, dinheiro (tanto das bolsas quanto dos patrocínios), é onde estão os melhores lutadores do mundo. Ou seja, é o sonho de consumo de dez entre dez lutadores profissionais de MMA. E só há um campeão por categoria de peso.



Segundo a teoria de que companheiros de treino e amigos não podem lutar, se o campeão for um dos dois, e lutar na mesma categoria de peso que você, restará para você a opção de se aposentar, ou ir para outro evento com menos visibilidade e bolsas menores, ou lutar sem jamais disputar o cinturão, perdendo a chance de ser campeão. Será que é certo?



E para terminar conto o que vi:

Dizem que o Vitor desafiou o Anderson, quis lutar com ele. Isso jamais aconteceu. Eu estava no vestiário após a luta do Belfort com o Rich Franklin quando Dana White entrou na sala e pediu para os jornalistas presentes saírem dali. Então, do nada, ele olhou para o Vitor e disparou: "você quer lutar com o Anderson pelo cinturão?"

Vitor ficou meio atordoado, e disse: "você é o patrão. Se quiser que eu lute, eu luto".

Depois disso, Vitor disse que não queria lutar com o Anderson, que preferia disputar o cinturão com outra pessoa, se pudesse escolher. Mas que escolha ele teria? Era lutar, ou jamais tentar ser campeão.

Fica no ar a questão do certo ou errado. Cada um tem direito a ter a opinião que quiser, mas todos devem saber de fato o que aconteceu.



OSS.

3 comentários:

thiago disse...

sinceramente, não entendo essa coisa de não lutar com amigo! talvez, seja por eu não ser um atleta de verdade, mas em um campeonato, as lutas que eu mais gostaria de fazer, seriam contra o chico, que é meu irmão de treino, ou contra você, meu sensei. sei que perderia nos dois casos, mas com certeza, ia gostar muito das lutas. OSS!!

Jayme Sandall disse...

Ou venceria as duas, quem sabe?
OSS.

thiago disse...

independente disso, seria genial...